Decisão do STF impede que gestantes e lactantes trabalhem em ambientes insalubres
12.07.2019

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, no fim do mês de maio, que profissionais grávidas ou em processo de amamentação não podem trabalhar em ambientes insalubres, independentemente do grau de nocividade. O veredito dos ministros foi de que a lei que permitia essa situação, aprovada pelo Congresso Nacional durante a gestão de Michel Temer, colocava em risco a saúde da mãe e da criança.

Na ocasião, o relator do processo, ministro Alexandre de Moraes, avaliou que a lei anterior estava em desacordo com diversos direitos da Constituição Federal como a segurança no emprego assegurada à gestante, proteção à maternidade, entre outros. No entendimento dele,  ao evitar o trabalho em locais insalubres, o STF garante um direito instrumental protetivo para a mulher e a criança.

Advogado especializado em Direito do Trabalho, Lucas Otsuka comenta que a decisão do STF torna desnecessária a apresentação do atestado médico, por parte da mulher, para que a dispensa das atividades seja realizada. “O entendimento do STF é de que a criança deve ser protegida de todas as formas”, aponta.

Nessas situações, observa Otsuka, a empresa deve encontrar uma alternativa viável para que a profissional não seja prejudicada. “O que se recomenda, nessas condições, é que essas trabalhadoras sejam realocadas para um ambiente que não tenha insalubridade, ou se isso não for possível, que elas sejam afastadas para o recebimento do salário maternidade como prevê a lei”, conclui.


Outras publicações
Repensando a Advocacia: o papel do advogado frente ao direito penal negocial.
17.02.2020

Autores: Mariana Nogueira Michelotto, Advogada, Pós Graduada em Direito Penal Econômico pelo Instituto Brasileiro de Ciências Criminais – IBCCRIM e…

Acordo de não persecução penal
10.02.2020

Marlus H. Arns de Oliveira e Mariana N. Michelotto Para alcançar sua plenitude como legítimo instrumento, o acordo de não…

Escritório Arns de Oliveira & Andreazza é um dos patrocinadores do II Simpósio de Ciências Criminais
20.11.2019

O advogado Marlus Arns de Oliveira (sócio do escritório Arns de Oliveira & Andreazza) participará juntamente com o diretor da…