O CASO WIKILEAKS E ANONIMATO: EFEITOS NA LIBERDADE DE INFORMAÇÃO
15.12.2015

Marlus H. Arns de Oliveira, José Renato Gaziero Cella

A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988 durante o processo de democratização do país após o fim de um regime autoritário precedido por diversos outros que mostram uma tradição não democrática na República Brasileira, ainda possui resquícios de um Estado Paternalista, a exemplo da parte final do inciso IV do artigo 5°, que diz ser livre a liberdade de expressão, sendo vedado o anonimato, proibição essa que necessita ser repensada, especialmente na internet, aonde a navegação dos dados pessoais precisa de proteção assim como também requer permanecer anônima, um fato que implica a necessidade de reflexão sobre o alcance e como melhor interpretar o dispositivo constitucional citado, um debate que, no artigo proposto, lidará com as ideias de paternalismo, autoritarismo e liberdade, cujo foco será dentro da Internet, redes sociais e Sociedade da Informação Palavras-chave: Caso Wikileaks; Direito ao anonimato; Paternalismo; Sociedade da Informação.

Palavras-chave: Caso Wikileaks; Direito ao anonimato; Paternalismo; Sociedade da Informação.

 

Ler desenvolvimento deste artigo


Outras publicações
A CONVERSÃO DA MP 936 NA LEI 14.020 – O QUE MUDOU?
09.07.2020

Por Lucas B. Linzmayer Otsuka, Jessica Gilbert Olenike e Ana Carolina Tsiflidis Após semanas aguardando a promulgação da MP 936,…

Temas Atuais da Execução da Pena
07.07.2020

Nesta quinta-feira (09/07), às 17h, está marcada uma Roda de Conversa com o Juiz Federal Danilo Pereira Júnior, o Advogado…

Live Justiça Penal Negocial
07.07.2020

O Advogado Marlus Arns de Oliveira participará nesta terça-feira (07/07), às 21h, da live “Justiça Penal Negocial”, a convite da…