APAE DE PIRAQUARA RECORRE E ACÓRDÃO PELA IRREGULARIDADE É ANULADO
11.03.2016

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) acatou pedido de rescisão, com pedido de liminar, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Piraquara e pela então presidente da entidade, Rosalice da Silva Geraldo, contra o Acórdão nº 265/14.
A Segunda Câmara do TCE-PR havia julgado irregular a prestação de contas de transferência voluntária de recursos repassados pela Secretaria de Estado de Educação à entidade, no exercício de 2011, para oferta de educação especial, no ensino básico do município, localizado na Região Metropolitana de Curitiba.
As contas foram reprovadas porque além de prestadas extemporaneamente, vieram desacompanhadas do respectivo termo de convênio e com uma divergência de R$ 20.186,21 entre saldo final de 2011 e o inicial lançado no Sistema Integrado de Transferências (SIT). Segundo a decisão, 11% dos recursos repassados, que totalizaram R$ 182.707.51, não tiveram a comprovação das despesas.
Na análise do pedido de rescisão, a Diretoria de Análise de Transferências (DAT) entendeu que a decisão recorrida apresenta ausência de citação válida dos interessados, ensejando sua nulidade. Além disso, a documentação juntada apresenta novos elementos de prova capazes de firmar a ocorrência de erro de fato, visto que o termo de convênio e os aditivos tidos como ausentes são relativos ao período da prestação de contas e já se encontrariam presentes nos autos.
A unidade técnica ressaltou que “a inobservância do rito delineado no Regimento Interno vigente à época resultou em prejuízo aos requerentes, que só tomaram conhecimento da desaprovação das contas por ofício encaminhado pela Diretoria de Execuções”.
O relator do processo, conselheiro Durval Amaral, acompanhou o parecer da DAT, mesmo entendimento apresentado pelo Ministério Público de Contas (MPC), pelo conhecimento do pedido rescisório, com fundamento no art. 494, III e V do RITCPR, e pela sua procedência. O Acórdão 265/14 foi declarado nulo, nos termos do art. 496-A, IV do Regimento Interno, ante o reconhecimento da ausência de citação dos requerentes na forma legalmente estabelecida pelo art. 380-A, III, alínea “b” do Regimento Interno.
O relator determinou, em decisão tomada na sessão de 4 de fevereiro, a retomada do adequado rito processual mediante intimação válida. O acórdão 395/16 – Tribunal Pleno foi publicado em 23 de fevereiro, na edição 1.303 do Diário Eletrônico do TCE-PR.

Compartilhe
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Outras publicações
O Termo de Ajustamento de Gestão no controle eficiente da Administração Pública
03.07.2018

O Termo de Ajustamento de Gestão no controle eficiente da Administração Pública The Management Adjustment Policy in the efficient control…

Colaboração premiada é tema de aula especial na ABDCONST
26.09.2017

Professor, Doutor em Direito pela PUC-PR e advogado, conhecido pela sua atuação na Operação Lava Jato, Marlus Arns de Oliveira…

Advogados do escritório Arns de Oliveira & Andreazza oferecem capacitações sobre aspectos jurídicos no Projeto Legado
26.09.2017

Formalizar e manter uma organização social envolve uma série de trâmites legais e burocráticos. Neste mês, os empreendedores sociais que estão no…