20 investigados da Lava Jato cumprem pena em casa com tornozeleira eletrônica
14.07.2017

Vinte investigados na Operação Lava Jato cumprem pena em casa, mas continuam sendo monitorados por tornozeleira eletrônica pela Justiça Federal do Paraná. Onze equipamentos foram instalados pela 12.ª Vara Federal de Curitiba, de execução penal, e outros nove pela 13.ª Vara, onde trabalha o juiz Sergio Moro. O ex-ministro José Dirceu foi o último investigado da Lava Jato a colocar o equipamento. Solto no início de maio pelo Supremo Tribunal Federal, Dirceu deixou para trás um ano e nove meses na cadeia e hoje é um dos réus sob vigilância da Justiça.

A maioria dos beneficiados firmou acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato e, portanto, cumpre em casa as penas previstas nos acordos. O advogado Marlus Arns de Oliveira, que representa dois réus da Lava Jato que ainda estão com o equipamento, diz que essa medida também é restritiva e tem caráter punitivo. Ele explica que o uso de tornozeleira possibilita que o Estado fiscalize o cumprimento da pena de forma adequada.

De acordo com o advogado, a Operação Lava Jato popularizou o uso da tornozeleira eletrônica e possibilitou que o equipamento fosse visto pelo judiciário como uma alternativa para que o preso cumprisse determinadas restrições fora da prisão.

Com mais de 600 mil presos no país e um déficit de pelo menos 200 mil vagas no sistema prisional, o uso da tornozeleira eletrônica pode ser considerada uma alternativa ao encarceramento. Além disso, o uso do equipamento é uma ferramenta na questão orçamentária, já que reduz o custo dos presos no sistema penitenciário. Na cadeia, um preso custa, em média, três mil reais por mês, enquanto o gasto com a tornozeleira é de 250 reais a unidade.

Entre os réus da Lava Jato que ainda continuam usando o equipamento estão os ex-diretores da Petrobras, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, o doleito Alberto Youssef e os ex-executivos da Odebrecht, Hilberto Mascarenhas e Rogério Santos de Araújo. Enquanto isso, 22 pessoas estão presas na Polícia Federal em Curitiba ou no Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana.

Fonte: Band News FM

Compartilhe
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Outras publicações
Colaboração premiada é tema de aula especial na ABDCONST
26.09.2017

Professor, Doutor em Direito pela PUC-PR e advogado, conhecido pela sua atuação na Operação Lava Jato, Marlus Arns de Oliveira…

Advogados do escritório Arns de Oliveira & Andreazza oferecem capacitações sobre aspectos jurídicos no Projeto Legado
26.09.2017

Formalizar e manter uma organização social envolve uma série de trâmites legais e burocráticos. Neste mês, os empreendedores sociais que estão no…

A importância das cartas rogatórias no Direito Penal contemporâneo
26.09.2017

A intensa globalização e a difusão dos delitos transnacionais (crimes que violam o bem jurídico de dois países) fez com…