Prestadores de serviços para clientes estrangeiros devem prestar informações ao SISCOSERV
01.08.2016

Inaiá Botelho

O descumprimento desta obrigação pode acarretar na aplicação de pesadas multas – motivo de intenso questionamento entre tributaristas.

Por desconhecimento, muitos prestadores de serviços brasileiros com clientes residentes ou domiciliados no exterior não têm cumprido com a obrigação de prestar informações sobre suas atividades ao SISCOSERV (Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio).

O chamado SISCOSERV é um sistema integrado de informações do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior para monitorar, com finalidade estatística, as transações realizadas entre residentes ou domiciliados no país e residentes ou domiciliados no exterior.

O prestador de serviços sediado no Brasil tem obrigação de prestar informações relativas às transações realizadas com residentes ou domiciliados no exterior que compreendam serviços, intangíveis e outras operações que produzam variações patrimoniais. São considerados intangíveis os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção de uma empresa. Ex.: marca, patentes, tecnologia e outros.

As informações devem ser prestadas eletronicamente através do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) no sítio da RFB na Internet.
O descumprimento desta obrigação pode acarretar na aplicação de pesadas multas, cujos valores podem ser de R$ 100,00, R$ 500,00 e até R$ 1.500,00 por mês-calendário ou fração de atraso. Os prazos estão previstos na IN SRF 1277 de 28/6/12.

Há intenso questionamento entre os tributaristas sobre a legalidade e constitucionalidade das multas aplicadas pelo SISCOSERV, porém, sem definição pelos tribunais até o momento. As empresas eventualmente autuadas devem consultar seu departamento jurídico sobre a possibilidade de um possível questionamento judicial da cobrança das multas, que tem se mostrado abusivas na maior parte dos casos.

Fonte: Lei 12.546/11; Portaria Conjunta RFB / SCS 1.908/12; IN SRF 1277 de 28/6/12; Lei 6.404/76.

__________________

 

 

 

 

*Inaiá Botelho é advogada, chefe do departamento tributário do escritório Arns de Oliveira & Andreazza Advogados Associados.

Fonte: Migalhas

Compartilhe
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn
  • dcardosods

    Olá Inaiá,

    Eu presto serviço de desenvolvimento de software para um empresa do exterior, e lendo sobre o Siscoserv parece que não existe mais a obrigação de enviar essas informações em alguns casos (conforme a Portaria Conjunta RFB/SCS Nº 1908/2012).

    Estou com dificuldades de interpretar o trecho:
    “as pessoas físicas residentes no País que, em nome individual, não
    explorem, habitual e profissionalmente, qualquer atividade econômica de
    natureza civil ou comercial, com o fim especulativo de lucro, desde que
    não realizem operações em valor superior a US$ 30.000,00 (trinta mil
    dólares dos Estados Unidos da América), ou o equivalente em outra moeda,
    no mês. (Redação dada pelo(a) Portaria Conjunta RFB SCS nº 1268, de 06
    de setembro de 2013)”

    O que seria “atividade econômica de
    natureza civil ou comercial, com o fim especulativo de lucro”?
    Considerando minha atividade, eu estaria isento de prover informações ao Siscoserv?

    Att, Daniel
    .


Outras publicações
O compliance como mecanismo eficiente de gestão anticorrupção
19.07.2017

O Brasil passa por um momento econômico grave e turbulento. Sob o prisma empresarial, tal gravidade decorre de um cenário…

Marlus Arns de Oliveira – Compliance 2
17.07.2017

20 investigados da Lava Jato cumprem pena em casa com tornozeleira eletrônica
14.07.2017

Vinte investigados na Operação Lava Jato cumprem pena em casa, mas continuam sendo monitorados por tornozeleira eletrônica pela Justiça Federal…